100%

Depoimentos na CPI do Lixo em Ituporanga passam a ser sigilosos  

Depoimentos na CPI do Lixo em Ituporanga passam a ser sigilosos
 
Medida foi considerada necessária para evitar intimidação das testemunhas.
 
A tarde de sexta-feira, 08, foi de bastante trabalho para a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que investiga possíveis irregularidades na coleta de lixo aqui em Ituporanga. A reunião que começou às 14h, contou com o depoimento de 13 testemunhas e algumas alterações no andamento da CPI. O relator Claudinei Eyng pediu para se afastar da comissão e os depoimentos passaram a ser sigilosos.

Para o presidente da CPI, Leandro Heinzen (PSB), as alterações foram necessárias para o encaminhamento mais transparente dos trabalhos. “Como o vereador Beleco apresentou na câmara denuncia de que o prefeito ofereceu cargos e dinheiro em troca de votos para que não ocorresse a abertura da CPI, ele terá que prestar depoimento durante as investigações, então ele passa de investigador para testemunha”, explicou o presidente. Com a saída de Eyng, quem assume a relatoria na comissão agora é o vereador Édio Fernandes, o Edinho do MDB.  Marcelo Machado (PP), Jaime Roberto Sens (PSDB) e Diogo Gastaldi (MDB) seguem sendo membros na CPI.

Além da mudança na formação da comissão a outra alteração que muda o andamento dos trabalhos foi com relação ao sigilo dos depoimentos.  Até minutos antes do inicio dessa segunda sessão de oitivas das testemunhas,  o processo de depoimentos era aberto para o acompanhamento da imprensa  e de quem tivesse interesse. “Na sexta-feira, estava presente na câmara a proprietária da empresa Say Muller, e entre as testemunhas estavam funcionários da empresa. Para evitar que houvesse qualquer tipo de constrangimento ou intimidação por parte dos que estavam ali para esclarecer nossas dúvidas, achamos por bem, acatar a solicitação que foi feita pelo vereador Marcelo Machado, em tornar os depoimentos sigilosos e a partir de agora as informações que serão repassadas sobre os trabalhos em andamento dentro da comissão serão limitadas”, relata Heinzen.

A próxima reunião da CPI está marcada para quinta-feira, 14, a partir das 8h. “A nossa próxima reunião com a oitiva de depoimentos será de extrema importância. Vamos colher o depoimento de cinco pessoas, entre elas do prefeito de Ituporanga Osni Francisco de Fragas, o secretário da Fazenda Arnito Sarda e da proprietária da Say Muller”, pontua. O prefeito pode optar pela forma como quer se manifestar. “Estamos intimando o prefeito e ele pode decidir responder aos questionamentos por escrito, ele não precisa vir até a câmara para prestar o depoimento de forma testemunhal”, ressalta o presidente da comissão.

Outros encaminhamentos dados para o andamento das investigações é a solicitação junto ao Instituto Geral de Polícia (IGP)  para que faça a perícia em um computador que pode ter tido informações deletadas. “Estamos querendo dar agilidade a esse trabalho. Minha expectativa como presidente é dar celeridade a esse processo, e terminar as investigações antes do 90 dias que foram definidos como prazo para encerrarmos os trabalhos. Mas nem tudo depende de nós vereadores. Estamos em conversa com o IGP, pra pedir agilidade, porque as informações que nos foram repassadas é de que o instituto levaria até 8 meses para entregar o laudo, e não podemos demorar todo esse tempo para receber esse material, então trabalhamos também com a possibilidade de buscar um outro técnico que consiga entregar esse laudo de forma mais rápida, mas que tenha a mesma lisura para o andamento das investigações”, finalizou.

Sobre a CPI

A CPI foi instaurada no dia 25 de fevereiro e foi aprovada por unanimidade, com o apoio dos 11 vereadores. A comissão investiga suposto desvio de dinheiro público na administração de Ituporanga, levando em conta divergências constadas entre a quantidade de lixo supostamente recolhida na cidade pela empresa Say Muller e a quantidade de material encaminhada ao destino final. A denúncia feita pelo vereador e ex- secretário de urbanismo Leandro May (PSDB), aponta que somente no mês de janeiro a diferença foi de 85 toneladas, o que em valores daria prejuízo aos cofres públicos de pelo menos R$ 30 mil. A expectativa é que os trabalhos de investigação sejam concluídos em um prazo de 90 dias.

Câmara de Vereadores de Ituporanga
Assessoria de Comunicação
 
Protocolos desta Publicação:Criado em: 12/03/2019 - 10:20:43 por: Erlon Carlos Thiesen - Alterado em: 12/03/2019 - 10:20:43 por: Erlon Carlos Thiesen

Notícias